Até sempre Armando Gama

Compartilhe nas Redes Sociais

Compartilhe nas Redes Sociais

Chegar à velhice na nossa geração, torna-se a maior aventura de todos os tempos. As metas e objetivos que traçamos para a nossa vida, o desgaste da rotina do dia-a-dia, as preocupações em vivermos neste mundo onde tudo passa depressa e sem tempo para se olhar para trás, diria mesmo que estamos a atravessar uma das piores fases da nossa existência. Não descobrimos o fogo, nem o ferro, nem a luz, mas descobrimos milhões de coisas com uma dimensão tão grande que nos esquecemos do essencial da vida: Viver! Há duas semanas atrás recebi a notícia de um lar de

AG e os Meias Limonada - Música POP Portuguesa

Banda de 10 elementos ou Dueto de voz e Piano para locais mais intimistas

Atuação de Armando Gama no 14 mares

“Armando Gama nasceu a 1 de abril de 1954, em Luanda, Angola. O interesse pela música surgiu ainda na infância, quando iniciou os estudos de acordeão e guitarra e, mais tarde, piano.
Criou a primeira banda, os LoveBirds, em 1970, e nas décadas seguintes esteve envolvido em vários outros projetos musicais, como os Tantra, um projeto de rock progressivo com Manuel Cardoso, e os duos Marinho & Gama e os Sarabanda.
Com os Sarabanda, um duo formado com a cantora, compositora e letrista Kris Köpke, assinou um contrato com a editora PolyGram, a convite de Tozé Brito, gravando três singles e um LP. O duo participou no Festival da Canção de 1980, com “Made in Portugal”, ficando em 5.º lugar na primeira semifinal e sem pontuação suficiente para chegar à final.
Armando Gama, venceu o Festival da Canção de 1983 com “Esta Balada Que te Dou””

 

Nunes Forte

Armando Gama foi uma das referências  musicais da minha infância. Sabia as letras e músicas de todas as músicas representantes do Festival da Canção e “esta Balada que te dou” foi umas das melodias mais bonitas que cantei.

Quis a vida que mais tarde nos pudéssemos cruzar. Foi já em Mafra que a minha relação com este senhor começou. Inicialmente, ainda casado  com Valentina Torres fiz-lhe uma entrevista para a Rádio Mafra-Fm e para o programa FM em Português. Foi no Sobreiro, nas suas festas de Verão, que tive a oportunidade de muito envergonhado lhe ir fazer algumas perguntas sobre a sua carreira. Estava acompanhado da sua linda mulher e lembro-me de aqueles poucos minutos concedidos terem sido um autêntico sofrimento para mim. Não só pela coragem para poder estar com tão ilustre personagem, como também estar na presença de uma diva da comunicação da RTP. Na mão segurava um pequeno gravador e recordo-me, como se fosse hoje, das brincadeiras de Valentina sobre tão rudimentar instrumento de entrevista.

Mais tarde, aquando da abertura do Bar 14 mares, fui convidar Armando Gama para nos fazer a noite musical de segunda-feira. Uma noite sem muito êxito em termos de público, mas com um gosto muito grande da minha parte pelo facto de poder assistir de forma semanal a uma das pessoas de referência da minha infância. Foi aí que nos conhecemos melhor. Partilhámos alegrias, tristezas e confidencias um do outro. Tornei-me amigo de Armando Gama e tive a oportunidade de lhe mostrar alguns dos meus projetos musicais. Nunca fez cara feia às minhas iniciativas e inclusive foi sempre uma pessoa que me soube dar força. Agarrado à sua vida musical e particular, ainda tive a oportunidade de o contratar para uma passagem de Ano na Messe de Lagos. Estávamos na altura de mais popularidade de Valentina Torres com a sua participação no programa ” Primeira companhia” da TVI. Convivemos nas terras do Algarve e fizemos uns dias maravilhosos em conjunto.

Mais tarde, num outro projeto, já separado de Valentina Torres e a residir no concelho de Mafra, chamou-me para o ajudar na sua publicidade. Estava num projeto com o meu amigo João Massano e os ensaios realizavam-se em sua casa. Apoiei-o na medida das minhas possibilidades e sempre fui um amigo, apesar de distante, perto dos seus compromissos.

Hoje recebi a notícia triste da sua partida. Com ele foi uma das pessoas que sempre serviu de referência, um músico de mão cheia e acima de tudo uma pessoa que apesar das contrariedades da vida, sempre soube fazer aquilo que mais gostou de fazer. Cumpriu o seu sonho de criança e acredito que hoje não haja ninguém que não saiba a melodia de “Esta balada que te dou”.

Faço votos que estejas em paz e que continues a fazer aquilo que mais gostavas na vida: Fazer música.

Obrigado Armando Gama por teres sido meu amigo.

 

Quando alguém te der um limão…

Faz uma limonada!

Compartilhe nas Redes Sociais

Comentários